Artigo: o poder do hábito



"O Poder do Hábito", livro de Charles Duhigg, de tema atualíssimo, diga-se, nos leva a refletir como nós, seres humanos, temos muito a aprender, a reaprender, a educar, a reeducar em casa com a família, no ambiente de trabalho, na escola e na vida social.

Vamos começar pensando no que aprendemos em casa: desde pequenos, ouvimos nossos pais falarem: "vocês têm que estudar, têm que ser gente!”.

Aprendemos desde cedo a dizer as palavras mágicas: bom dia! boa tarde, por favor,  obrigado, até amanhã, ou thau!. Entramos na faculdade e ai começa outra etapa: aparecem os novos amigos, a disputa para  conseguir um bom trabalho, devido o mercado estar cada vez mais exigente,  e a busca  de  um emprego que nos dê segurança para sustentar a própria  família.   Acompanhamos de perto  o índice do desemprego e muitas  empresas  fechando as suas portas. 

Alguns pais mais conservadores, outros nem tanto, quando somos crianças -  nos influenciam  para termos fé, seguir uma  religião, seja qual for para termos  exemplo de  Cristo em nossas vidas. 

Onde entra o Poder do Hábito?  Será que no trabalho também temos que usar as palavras mágicas que aprendemos quando crianças?  Será que temos de dizer  Bom dia  -  todos os dias para os   nossos  colegas, para os  clientes que chegam na empresa?  Temos  muito mais: temos de ser capacitados, isto é receptivos aos novos conhecimentos,  treinados dentro  e fora da empresa, onde passamos a maior  parte do nosso tempo, correndo para atingir as metas.

Temos que receber treinamentos  para usarmos diariamente  os hábitos de higiene,  básicos de como lavar as mãos antes das refeições), cuidados  nos banheiros, do uso dos celulares em cima da mesa, após largar as chaves do carro em qualquer lugar. 

Outras pessoas  completamente descuidadas  fazem as suas necessidades fisiológicas  sem os devidos cuidados pessoais, principalmente  com a saúde deles e dos outros.  Só nos preocupamos com a saúde – justamente quando a perdemos. Volta  e meia ouvimos alguém dizer: estava  doente com  muita dor no corpo, na cabeça e, nas juntas. - Então, tomei Benzetacil. Dói muito.  Da dor eles lembram, só não lembram de fazer o tratamento. 

Alguns colaboradores, afirmam:-  “para  quecuidar da higiene? Eu tenho  saúde de ferro”.   A infecção urinária émuito comum com o clima seco de Brasilia. Será falta dágua associada a falta de higiene? Será que os parceiros, maridos, noivos, amigos, ficantes, namorados também precisam de cuidados com a saúde?

Devemos lembrar que sem saúde, não podemos trabalhar, nem levar os filhos para escola e o pior – enfrentar os hospitais que,  lamentavelmente, estão nas UTIs. 

Vamos lembrar disso: o pensamento é força criadora. O poder do hábito também.  Podemos viver nos ajudando, agradecendo sempre e, ajudando uns aos outros de forma a termos um convívio mais harmonioso em casa com a familia e no trabalho, principalmente com saúde.


Algecira Amaral é ouvidora da empresa Prodesivo